Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
LITERATURA E JORNALISMO NO BRASIL DO SÉCULO XIX: A CRÔNICA
FLC
6245
4
19/05/2015 à -
Não
Objetivos: O objetivo do curso é aprofundar a compreensão da relação entre Literatura e Jornalismo no século XIX brasileiro, tomando, como objeto central da reflexão, o estudo do gênero jornalístico-literário (a crônica) e, como ponto de partida, as suas origens francesas e consequente transposição para o contexto brasileiro. Tais estudos serão ilustrados pelo conhecimento e análise da obra cronística de um caso exemplar de escritor-jornalista brasileiro (Machado de Assis), comparativamente a um caso exemplar de escritor-jornalista francês (Théophile Gautier). Justificativa: Embora o estudo da crônica como gênero literário-jornalístico desperte muito interesse no Brasil, temos produzido, sobretudo, trabalhos críticos a respeito da obra cronística de alguns escritores brasileiros, em geral, os mais evidentes. Nos últimos anos, temos, também, trazido à luz boas edições das crônicas de alguns de nossos melhores escritores, das quais constam o estabelecimento de texto a partir dos jornais, além de notas ao texto e explicativas. Mesmo assim, a discussão sobre a crônica como um gênero literário-jornalístico forjado nas páginas dos periódicos do XIX ainda é relativamente escassa e demasiado centrada no fenômeno brasileiro. Enquanto isso, em contexto mundial, a crítica tem reconhecido os fenômenos do jornal/jornalismo no século XIX como um fenômeno de Cultura, ou mesmo de Civilização (Kalifa, Réginier, Thérenty e Vaillant, 2011. Assim sendo, uma das formas de melhor compreender a “aclimatação” do gênero crônica ao Brasil – prosseguindo os estudos fundamentais de Marlyse Meyer sobre o folhetim, a crônica e o rodapé dos jornais – parece ser a abertura da reflexão para as discussões que se têm feito sobre a relação entre Literatura e Jornalismo na Europa, Canadá e Estados Unidos, as quais têm reverberações importantes no Brasil. Como decorrência, à medida que ampliamos a compreensão desse fenômeno da cultura ocidental, confirma-se o paradigma da mundialização na obra de um escritor como Machado de Assis, cuja trajetória dentro do jornalismo será debatida e analisada, comparativamente à de Théophile Gautier, homem de letras que, na França, contribuiu tão extensivamente quanto brasileiro, para os jornais de sua época. Conteúdo: 1. Jornal/Jornalismo, século XIX: nações e civilização 2. Século XIX: jornalismo e literatura; invenção poética; escritores-jornalistas. 3. A crônica nos jornais franceses: de Delphine de Girardin a Théophile Gautier 4. A crônica como gênero brasileiro: formação e escrita ao longo do século XIX 5. A crônica nos jornais brasileiros: Machado de Assis (anos 1860-1870) 6. A crônica nos jornais brasileiros: Machado de Assis (anos 1880-1890) Forma de Avaliação: Uma monografia no final do curso.
AGUIAR, Flávio, MEIHY, João Carlos Sebe Bom; VASCONCELOS, Sandra Guardini T. Gêneros de Fronteira: cruzamentos entre o histórico e o literário. São Paulo: Xamã, 1997. ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas : reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. ANDRIES, Lise. Impressions du Mexique et de France : imprimés et transferts culturels au XIXe siècle. Paris : MSH ; México : Instituto de investigaciones Dr. José María Luis Mora, 2009. ARÊAS, Vilma. Os folhetins de Martins Pena. Boletim bibliográfico Biblioteca Mário de Andrade. São Paulo, v. 46, nº 1/4, p. 57-71, jan.- dez. 1985. ARRIGUCCI, Davi. Fragmentos sobre a crônica. In: Enigma e comentário. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. ASSIS, Machado de. O Futuro. Organização, notas e introdução de Lúcia Granja e John Gledson. São Paulo; Campinas: Editora da UNICAMP, 2014. _____.História de Quinze Dias, História de Trinta Dias. Crônicas de Machado de Assis – Manassés. Organização de Silvia Maria Azevedo. Organização, notas e introdução de Lúcia Granja e John Gledson. São Paulo; Campinas: Editora da UNICAMP, 2011. _____. História de Quinze Dias. Organização, notas e introdução de Leonardo Affonso de Miranda Pereira. São Paulo; Campinas: Editora da UNICAMP, 2008. _____. Obra completa. Obra completa em quatro volumes. Vol. 2. 2ª. ed. Organização de Aluízio Leite, Ana Lima Cecílio, Heloísa Jahan. Rio de Janeiro: Aguilar, 2008. _____. Bons dias! Introdução e Notas John Gledson. São Paulo; Campinas: Editora da UNICAMP, 2008. _____. O Espelho. Organização, notas e introdução de João Roberto Faria. São Paulo; Campinas: Editora da UNICAMP, 2008. _____.Comentários da Semana. Organização, notas e introdução de Lúcia Granja e Jefferson Cano. São Paulo; Campinas: Editora da UNICAMP, 2008. _____. Notas Semanais. Organização, notas e introdução de Lúcia Granja e John Gledson. São Paulo; Campinas: Editora da UNICAMP, 2008. _____. A Semana! Org., Prefácio e Notas de John Gledson. São Paulo: Hucitec/UNICAMP, 1996. _____. Dispersos de Machado de Assis. Coligidos e anotados por Jean-Michel Massa. Rio de Janeiro: INL, 1965. _____. Obras completas, 31 vols. Rio de Janeiro: W. M. Jackson Inc., 1938. BARA, Olivier. Les romantiques et l’opéra-comique : Belrioz, Gautier, Nerval. Petit essai de critique comparée. In : Lieux Littéraires. Montpellier, n. 6, p. 75-91, dez./ 2002. ______ . Écrire sur le vide. In : Bulletin de La Societé Théophile Gautier. « Le cothurne étroit du journalisme : Théophile Gautier et la contrainte médiatique ». Montepellier, n.30, p. 127-141, 2008. BELLATI, Giovanna. Une musique que l’on regarde : le ballet comme synesthésie des arts dans les textes de critique théâtrale de Gautier. In : Builletin de La Societé Théophile Gautier. « Gautier et les arts de la danse ». Montepellier, n.31, p. 43-55, 2009. BERTHIER, Patrick. La presse littéraire et dramatique aut début de la Monarchie de Juillet (1830-1836). t. 1, 2 e 3. Villeneuve d’Ascq : Éditions Universitaires du Septetrion, 1997. ______. Publier le feuilleton dramatique de Gautier. In : Bulletin de La Societé Théophile Gautier. Montpellier, n.26, p. 3-11, 2004. ______. Les dimanches de Gautier. In : Bulletin de La Societé Théophile Gautier. « Le cothurne étroit du journalisme : Théophile Gautier et la contrainte médiatique ». Montpellier, n.30, p. 115- 126, 2008. BETELLA, G. K. . Narradores de Machado de Assis: a seriedade enganosa dos cadernos do conselheiro (Esaú e Jacó e Memorial de Aires) e a simulada displicência das crônicas (Bons dias! e A Semana). São Paulo: Edusp/Nankin, 2007. _____. Bons dias! O funcionamento preciso da inteligência em terra de relógios desacertados: as crônicas de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Revan, 2006. Bulletin de La Societé Théophile Gautier. « Le cothurne étroit du journalisme : Théophile Gautier et la contrainte médiatique ». Montepellier, n.30, p. 127-141, 2008. Bulletin de La Societé Théophile Gautier. Montepellier, n.8. 1986. Bulletin de La Societé Théophile Gautier. Montepellier, n.10. 1988. BOSI, Alfredo et. alli. (orgs.) Machado de Assis. São Paulo: Ática, 1982. BOSI, Alfredo. O teatro político nas crônicas de Machado de Assis. Série “Literatura” da “Coleção Documentos” do Instituto de Estudos Avançados da USP, 2004. BRAYNER, Sônia. As metamorfoses machadianas. In: Labirinto do espaço romanesco. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: MEC, 1979. BROCA, Brito. Machado de Assis e a política & outros estudos. Rio de Janeiro. Org. Simões editora, 1957. CALLIPO, Daniela Mantarro. Rimas de ouro e sândalo. A presençaa de Victor Hugo nas crônicas de Machado de Assis. São Paulo: Editora da UNESP, 2010. CHALHOUB, Sidney, PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda e NEVES, Margarida de Souza Neves (orgs). História Em Cousas Miúdas. Campinas; SP: Editora da UNICAMP, 2006. COSTA, Cristiane. Pena de aluguel: escritores jornalistas no Brasil (1904-2004). São Paulo: Cia das Letras, 2005. DIMAS, A. Ambigüidade da crônica: literatura ou jornalismo?. Revista Littera. Rio de Janeiro, ano IV, nº 12, p. 46-51, set.-dez. 1974. DIMAS, Antonio. Bilac, o jornalista. 3 vols. São Paulo: IMESP, 2006. FAORO, Raimundo. Machado de Assis: a pirâmide e o trapézio. 3. ed. Rio de Janeiro: Globo, 1978. GAUTIER, Théophile. Gautier Jounaliste. Articles et chroniques choisis et présentés par Patrick Bertier. Paris: Flammarion, 2011. GLEDSON, John. Machado de Assis: ficção e história. São Paulo: Paz e Terra, 1986. _____. Por um novo Machado de Assis. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. GRANJA, Lúcia e ANDRIES, Lise (orgs). Literaturas e Escritas da Imprensa: Brasil/França, século XIX. Campinas; São Paulo: Editora Mercado de Letras, 2015. GRANJA, L. Ratos, pássaros e morcegos: Machado de Assis, Théophile Gautier e um repertório de citações. In: Guimarães, Hélio e Senna, Marta de. Machado de Assis e o outro. Organização de Marta de Senna e Hélio de Seixas Guimarães. 1 ed. Rio de Janeiro: Móbile Editorial, 2012, p. 93-108. GRANJA, L. Un comte traverse la mer: un roman d'Alexandre Dumas en bas de page et aux annonces du JORNAL DO COMMERCIO In: Le commerce transatlantique de libraire, un des fondaments de la mondialisation culturelle (France, Portugal, Brésil, XVIII-XIX siècles). 2012, p. 177-187. Meio de divulgação: Meio digital, ISBN: 9788562641084, Home page: www.iel.unicamp.br/circulacao. O livro estará disponível no site do Projeto Temático FAPESP “A circulação transatlântica do impresso: a globalização da cultura no século XIX”. GRANJA, L. No rodapé dos jornais: casos do romance-folhetim. Floema (UESB). , v.IX, p.147 - 158, 2012. Meio de divulgação: Impresso. Home page: [http://periodicos.uesb.br/index.php/floema] Ano VII, volume 9, junho de 2011, mas efetivamente publicado em junho de 2012. ISSN versão eletrônica: 2177-3629 GRANJA, Lúcia. France et Brésil: les transferts de la chronique et du feuilleton-varietés. In: GUIMARÃES, Valéria (org). Les transferts culturels. L'exemple de la presse en France et au Brésil. Paris, Brasil, Harmattan, 2011, p. 82 – 96. GRANJA, Lúcia.Crônica. Chronique. Crónica. In: Revista da ANPOLL, vol. 1, n. 38, 2015, p. 86-100. _____. Folhetins d'aquém e d'além mar: a formação da crônica no Brasil. In: BUSATO, Susanna e MOTTA, S. V. (orgs). Figurações contemporâneas do espaço na literatura, 9788579830, São Paulo, Brasil, Cultura Acadêmica, 2010, p. 112 – 132. _____. Amáveis Intromissões. Revista de História da Biblioteca Nacional, v. n°10, p.62 - 67, 2006. _____. Das páginas dos jornais aos gabinetes de leitura: rumos dos estudos sobre as crônicas de Machado de Assis. Teresa, Revista de Literatura Brasileira(USP), v.6/7, p.385 - 399, 2006. _____. Machado de Assis, crônica, ficção e travessia: Memórias Póstumas de Brás Cubas. In: À Roda de MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS. Campinas: Alínea, 2006, pp. 123-152. _____. Machado de Assis cronista: primeiros anos. In: A Historiografia literária e as técnicas de escrita: do manuscrito ao hipertexto. Rio de Janeiro : Vieira & Lent, 2004. _____. Machado de Assis, escritor em formação. À roda dos jornais. Campinas; São Paulo: Mercado de Letras; FAPESP, 2000. HANSEN, João Adolfo. Alguma prosa de Drummond. Floema. Caderno de Teoria e História literária. Ano II, n 2 A, out 2006, pp 211-222. Jr., Dilson F. da Cruz. Estratégias e máscaras de um fingidor. A crônica de Machado de Assis. São Paulo: Nankin Editorial; Humanitas FFLCH/USP, 2002. KALIFA, Dominique, RÉGNIER, Philippe, THÈRENTY, Marie-Eve e VAILLANT, Alain (orgs.) (2011). La Civilisation du journal. Histoire culturelle et littéraire de la presse française au XIXe siècle (1800-1914). Paris: Nouveau Monde Editions, 2011. LIMA, A. A. (Tristão de Athaide) Machado folhetinista, In: Diário de Notícias, Rio de janeiro 9 de outubro de 1960, Suplemento Literário, p. 1. _____. Machado de Assis cronista. In: Diário de Notícias, Rio de janeiro 23 de outubro de 1960, Suplemento Literário, p. 1. _____. O jornalismo como gênero literário. Rio de Janeiro: Agir, 1960. MACEDO. Joaquim Manuel de. Labirinto. Organização, apresentação e notas de Jefferson Cano. Campinas, SP: Editora Mercado de Letras, 2004. _____. Memórias da Rua do Ouvidor. Brasília: Edições do Senado Federal, 2005. _____.Um passeio pela cidade do Rio de Janeiro. Brasília: Edições do Senado Federal, 2005. MAGALHÃES JR., Raimundo. Machado de Assis desconhecido. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971. MASSA, J-M. A juventude de Machado de Assis. trad. de Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971. MEYER, M. "Voláteis e versáteis: de variedades e folhetins se fez a crônica". In: Boletim bibliográfico da biblioteca Mário de Andrade. vol 46. São Paulo, 1985. pp17-41. Texto republicado em A Crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. ______. "Folhetim para Almanaque ou Rocambole, a Ilíada de Realejo". In: Revista Almanaque, 14. São Paulo: Brasiliense, s/d. pp 17-41. ______. "O que é ou quem foi Sinclair das Ilhas?". In: Revista Almanaque, 8. São Paulo: Brasiliense, 1979. pp 82-99. ______. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. SILVA, Ana Claudia Suriani e Vasconcelos, Sandra Guardini. Books and periodicals en Brasil, 1768-1930. A Transatalntic Perspective. Londres: Legenda, 2014. SODRÉ, N. W. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966. SOUZA, Antonio Candido Mello et alli. A Crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp; Rio de janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992. Neste livro: A vida ao rés-do-chão (de Antonio Candido); Voláteis e versáteis: de variedades e folhetins se fez a crônica ( Marlyse Meyer); Moda da crônica: frívola e cruel (Marília Rothier Cardoso; João do Rio = Salomé ( Raul Antelo); Lima Barreto: misógino ou feminista? Uma leitura de suas crônicas ( Eliane Vasconcelos); em torno do cronista Martins Pena (Vilma Arêas); Alencar: a semana em revista ( João Roberto Faria); Machado de Assis: um cronista de quatro décadas (Sonia Brayner); Em caso de desespero, não trabalhem: a política nas crônicas de Machado de Assis (Beatriz Resende); De estação em estação com Machadinho (Marlyse Meyer). SUSSEKIND, F. Machado de Assis e a musa mecânica In: Papéis Colados. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1993. COSTA, Cristiane. Pena de aluguel: escritores jornalistas no Brasil (1904-2004). São Paulo: Cia das Letras, 2005. PINSON, Guillaume. Fiction du monde. De la presse mondaine à Marcel Proust, Montréal, Presses de l'Université de Montréal, coll. "Socius", 2008. RAMOS, Ana Flávia Cernic. História e crônica: ‘Balas de Estalo’ e as questões políticas e sociais de seu tempo. Monografia de bacharelado em história, IFCH/UNICAMP, 2002. SAMINADAYAR-PERRIN, Corinne. Les discours du journal. Rhétorique et médias au XIXe siècle, (1836-1885), coll. « Le XIXe siècle en représentation(s) », Publications de l’université de Saint-Étienne, 2007. SOARES, Marcus Vinicius Nogueira Soares. A Crônica Brasileira do Século XIX. Uma breve história. Rio de Janeiro. É Realizações Editora, 2015 THÉRENTY, Marie-Éve. La Littérature au quotidien. Poétiques journalistiques au XIXe siècle. Paris, Seuil, 2007. THÉRENTY, M-E et VAILLANT (dir). Presse et Plumes. Journalisme et littérature au XIXe siècle, Marie-Ève Thérenty et Alain Vaillant éd., Paris, nouveau monde éditions, 2004. _____. 1836, L’an I de l’ère médiatique. Analyse littéraire et historique de La Presse de Girardin, Paris, Nouveau Monde, 2001. VAILLANT, Alain. La crise de la Littérature. Romantisme et modernité. Grénoble, ELLUG, 2005. ________ A crônica no século XIX. As metamorfoses midiáticas de um gênero literário. Tradução de Pablo Simpson. In: Revista da ANPOLL, vol. 1, n. 38, 2015.

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
60
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
60

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA