Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
DE MARTINS PENA A ARTUR AZEVEDO: FORMAS DA COMÉDIA E DO CÔMICO NO TEATRO BRASILEIRO
FLC
6255
8
15/12/2015 à -
Não
Objetivos: A disciplina visa a oferecer aos alunos de pós-graduação os instrumentos necessários para o estudo das várias formas de comédia e de comicidade que predominaram no teatro brasileiro ao longo do século XIX. Para isso, as aulas deverão contemplar três campos do conhecimento, interligando-os entre si: 1) o teórico, centrado na leitura de obras que abordam a especificidade dos diferentes gêneros cômicos da tradição teatral e os modos de construção da comicidade; 2) o prático, isto é, o terreno da análise e interpretação das comédias brasileiras, levando em conta seus recursos de forma e conteúdo; 3) o histórico, voltado para a compreensão e explicação do contexto teatral, literário, político e social em que as comédias foram escritas e encenadas no Brasil. Justificativa: O estudo do teatro brasileiro do século XIX tem merecido especial atenção dos nossos especialistas, que se debruçam sobre autores, obras e movimentos literários, a partir de pesquisas minuciosas em arquivos e fontes primárias. Um dos resultados mais visíveis dessas pesquisas diz respeito ao reconhecimento da hegemonia da comédia em nossos palcos, que se inicia com o surgimento de Martins Pena, o criador da comédia de costumes no Brasil, na década de 1830, e se prolonga por mais de sessenta anos. Nesse período, a comédia se diversificou e fincou definitivamente suas raízes na cena brasileira, um fenômeno que merece ser estudado em profundidade. Conteúdo: 1. Introdução: origens e evolução do gênero cômico. Formas da comédia e do cômico. 2. A comédia brasileira no século XIX. 2.1. Martins Pena e a comédia de costumes. A construção da comicidade farsesca em O Judas em Sábado de Aleluia e O Noviço. 2.2. Martins Pena e Joaquim Manuel de Macedo: sátira e paródia como recursos cômicos em Ciúmes de um Pedestre e O Novo Otelo. 2.3. A comédia realista no Brasil. O Teatro Ginásio Dramático e as ideias teatrais. 2.4. A comédia realista no Brasil. Análise de O Demônio Familiar, de José de Alencar. 2.5. Machado de Assis e o “provérbio dramático”. Análise de O Caminho da Porta e Lição de Botânica. 2.6. França Júnior: a sátira política em cena. Análise de Como se fazia um Deputado. 2.7. A cena cômica do ator Vasques. A mágica: truques cênicos e comicidade. 2.8. O teatro cômico e musicado de Artur Azevedo: a opereta Abel, Helena. 2.9. O teatro cômico e musicado de Artur Azevedo: análise da revista de ano O Homem. 2.10. O teatro cômico e musicado de Artur Azevedo: análise da burleta A Capital Federal. 2.11. Qorpo-Santo, entre a vanguarda e a tradição cômica popular. Análise de Mateus e Mateusa e Eu sou Vida, Eu não sou Morte. Conclusão: a tradição da comédia no teatro brasileiro. Forma de Avaliação: Monografia e seminários.
a) dramaturgia brasileira: AGUIAR, Flávio (org.). Antologia de comédia de costumes. São Paulo, Martins Fontes, 2003. ALENCAR, José de. Comédias (edição preparada por Flávio Aguiar). São Paulo, Martins Fontes, 2004. _________. Obra completa. Rio de janeiro, Aguilar, 1960, vol. 4. _________. O demônio familiar (apresentação e estabelecimento de texto de João Roberto Faria). Campinas, Ed. da Unicamp, 2003. AZEVEDO, Artur. Teatro de Artur Azevedo. Rio de Janeiro, INACEN, 1983-1995, tomos I, III e IV. FRANÇA JÚNIOR, J.J. Teatro de França Júnior. Rio de Janeiro, SNT, 1980, tomo II. MACEDO. Joaquim Manuel de. Teatro completo 2. Rio de Janeiro, MEC/SNT, 1979. MACHADO DE ASSIS, J.M. Teatro de Machado de Assis.(edição preparada por João Roberto Faria). São Paulo, Martins Fontes, 2003. _________. Teatro completo. Rio de Janeiro, SNT, 1982. MARTINS PENA, L.C. Comédias. Rio de Janeiro, INL/MEC, 1956. MARTINS PENA, L.C. Comédias. São Paulo, Martins Fontes, 2007, 3 vols. QORPO-SANTO (José Joaquim de Campos Leão). Teatro completo. Rio de Janeiro, SNT, 1980. VASQUES. “Orfeu na roça”, em FERREIRA, Procópio. O ator Vasques. São Paulo, Ed. do Autor, 1939, pp. 179-249. [Reeditado pelo MEC/SNT, em 1979]. b) estudos teóricos: ARÊAS, Vilma. Iniciação à comédia. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1990. BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento. São Paulo, Hucitec, 1987. BENDER, Ivo C. Comédia e riso: uma poética do teatro cômico. Porto Alegre, Ed. Universidade/UFRGS/EDPUCRS, 1996. BENTLEY, Eric. A experiência viva do teatro. Rio de Janeiro, Zahar, 1967. BERGSON, Henri. O riso. Rio de Janeiro, Zahar, 1980. [há edição também da Martins Fontes]. BRUYR, José. L’opérette. Paris, P.U.F., 1962. Col. “Que sais-je?” CANOVA, Marie-Claude. La comédie. Paris, Hachette, 1993. CORRIGAN, Robert W. Comedy: meaning and form. San Francisco, Chandler Publishing Company, 1965. CORVIN, Michel. Lire la comédie. Paris, Dunod, 1994. DREYFUS, Robert. Petite histoire de la revue de fin d’année. Paris, Charpentier, 1909. FREUD, Sigmund. O chiste e sua relação com o inconsciente. Rio de janeiro, Imago, 1969. FRYE, Northrop. Anatomia da crítica. São Paulo, Cultrix, 1973. HODGART, Matthew. La sátira. Madrid, Guadarrama, 1969. HUTCHEON, Linda. “Ironie, satire, parodie”, em Poétique (46), 1981, pp.13-28. __________. Uma teoria da paródia. Lisboa, Edições 70, 1985. ISSACHAROFF, Michael. Lieux comiques ou le temple de Janus. Paris, José Corti, 1990. JARDON, Denise. Du comique dans le texte littéraire. Bruxelles, De Boeck-Duculot, 1988. MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Trad. Maria Helena O. O. Assumpção. São Paulo, Ed. da Unesp, 2003. OLSON, Elder. Teoria de la comedia. Barcelona, Ariel, 1978. PROPP, Wladimir. Comicidade e riso. São Paulo, Ática, 1992. REVISTA DE CULTURA VOZES. Petrópolis, jan/fev 1974. n. 1, v.68. O riso e o cômico. REY-FLAUD, Bernadette. La farse ou la machine à rire: théorie d’um genre dramatique 1450-1550. Genève, Droz, 1984. RISSIN, David. Offenbach ou le rire em musique. Paris, Fayard, 1980. PAVIS, Patrice. Dicionário do teatro. São Paulo, Perspectiva, 1999. SEGAL, E. The Death of Comedy. Cambridge, Harvard University Press, 2001. SYPHER, Wylie (ed.). Comedy (“An essay on comedy”, by George Meredith, and “Laughter”, by Henri Bergson). Baltimore and London, The Johns Hopkins University Press, 1994. VOLTZ, Pierre. La comédie. Paris, Armand Colin, 1964. c) histórias do teatro brasileiro e estudos críticos: AGUIAR, Flávio. Os homens precários. Porto Alegre, A Nação/IEL, 1975. [sobre Qorpo-Santo]. _______. A comédia nacional no teatro de José de Alencar. São Paulo, Ática, 1984. ARÊAS, Vilma. Na tapera de Santa Cruz: uma leitura de Martins Pena. São Paulo, Martins Fontes, 1987. CAFEZEIRO, Edwaldo & GADELHA, Carmen. História do teatro brasileiro. De Anchieta a Nelson Rodrigues. Rio de Janeiro, Editora UFRJ/EDUERJ/FUNARTE, 1996. FARIA, João Roberto. Idéias teatrais: o século XIX no Brasil. São Paulo, Perspectiva/Fapesp, 2001. ______. O teatro realista no Brasil: 1855-1865. São Paulo, Perspectiva/Edusp, 1993. ______. O teatro na estante. São Paulo, Ateliê, 1998. ______. (org.) História do teatro brasileiro. São Paulo, Perspectiva/SESC, 2012, vol. 1. ______. O lugar da dramaturgia nas histórias da literatura brasileira. Sala Preta (USP), v. 10, p. 9-25, 2011. ______. Machado de Assis, leitor de Musset. Teresa (USP), v. 6/7, p. 364-384, 2006. FERREIRA, Eliane Fernanda C. Machado de Assis sob as luzes da ribalta. São Paulo, Cone Sul, 1998. FRAGA, Eudinyr. Qorpo-Santo: surrealismo ou absurdo?. São Paulo, Perspectiva, 1988. HELIODORA, Barbara. Martins Pena: uma introdução. Rio de Janeiro, Academia Brasileira de Letras, 2000. JACOBBI, Ruggero. “Machado de Assis e o teatro”, em O espectador apaixonado. Porto Alegre, Faculdade de Filosofia da URGS, 1962, pp.51-60. LOYOLA, Cecília. Machado de Assis e o teatro das convenções. Rio de Janeiro, Uapê, 1997. MACHADO DE ASSIS, J.M. Crítica teatral. Rio de Jackson, 1950. MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. São Paulo, Difel, 1962. MAGALHÃES JR., R. Martins Pena e sua época. 2 ed. São Paulo, Lisa, 1972. ____________. Artur Azevedo e sua época. 4 ed. São Paulo, Lisa, 1971. MARTINS, Antonio. Arthur Azevedo: a palavra e o riso. São Paulo, Perspectiva, 1988. MARZANO, Andrea. Cidade em cena: o ator Vasques, o teatro e o Rio de Janeiro (1839-1892). Rio de Janeiro, Folha Seca/Faperj, 2008. MASSA, Jean-Michel. A juventude de Machado de Assis. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1971, p.313-340. MELLO E SOUZA, Gilda. “Machado em cena”, em Exercícios de leitura. São Paulo, Duas Cidades, 1980, pp.117-122. MENCARELLI, Fernando A. Cena aberta: a absolvição de um bilontra e o teatro de revista de Arthur Azevedo. Campinas, Ed. da Unicamp, 1999. NEVES, Larissa de Oliveira e LEVIN, Orna Messer (orgs.). O Theatro: crônicas de Arthur Azevedo. Campinas, Ed. da Unicamp, 2009. PAIXÃO, Múcio da. O teatro no Brasil. Rio de Janeiro, Brasília Ed., 1936. PONTES, Joel. Machado de Assis e o teatro. Rio de Janeiro, INL, 1960. PRADO, Décio de Almeida. “A comédia brasileira (1860-1908)”, em Seres, coisas, lugares: do teatro ao futebol. São Paulo, Companhia das Letras, 1997, p.15-63. _______. “Os demônios familiares de Alencar”, em Teatro de Anchieta a Alencar. São Paulo, Perspectiva, 1993, pp.299-344. _______. História concisa do teatro brasileiro. São Paulo, Edusp, 1999. ROMERO, Sílvio. Martins Pena. Porto, Chardron, 1901. RUIZ, Roberto. O teatro de revista no Brasil: das origens à Primeira Guerra Mundial. Rio de Janeiro, MEC/INACEN, 1988. SALIBA, Elias Thomé. Raízes do riso: a representação humorística na história brasileira: da belle époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo, Companhia das Letras, 2002. SEIDL, Roberto. Artur Azevedo; ensaio biobibliográfico. Rio de Janeiro, ABC, 1937. SICILIANO, Tatiana Oliveira. O Rio de Janeiro de Artur Azevedo: cenas de um teatro urbano. Rio de Janeiro, Mauad/Faperj, 2014. SILVA, Lafayette. História do teatro brasileiro. Rio de Janeiro, Min. Educação e Saúde, 1938. SOUSA, J. Galante de. O teatro no Brasil. Rio de Janeiro, MEC/INL, 1960, 2 v. SOUZA, Silvia Cristina Martins de. As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868). Campinas, ed. da Unicamp, 2002. SOUZA, Silvia Cristina Martins de. Carpinteiros teatrais, cenas cômicas & diversidade cultural no Rio de Janeiro oitocentista: ensaios de história social da cultura. Londrina, Eduel,2010. SÜSSEKIND, Flora. As revistas de ano e a invenção do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Nova Fronteira/Fundação casa de Rui Barbosa, 1986. TORNQUIST, Helena. As novidades velhas: o teatro de Machado de Assis e a comédia francesa. São Leopoldo, Editora UNISINOS, 2002. VENEZIANO, Neyde. O teatro de revista no Brasil: dramaturgia e convenções. Campinas, Pontes/Ed. da Universidade Estadual de Campinas, 1991. Banco de dados: www2.eca.usp.br/bctb/

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
120
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
120

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA