Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
DOZE PASSAGENS FORA DA SEQUÊNCIA DO GRANDE SERTÃO: VEREDAS
FLC
6146
8
10/04/2012 à -
Não
Objetivos: Os principais objetivos do programa serão os de remontagem do romance de Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas, de modo a reordenar a seqüência dos fatos narrados, e, a partir daí, buscar uma leitura mais compreensiva de seu desenvolvimento temático e narrativo: por que narrar o que se passou numa ordem embaralhada e não na qual os fatos ocorreram? O que se pretendia com isso e qual o resultado? Para tanto, selecionamos doze passagens compostas de um ou mais episódios para estudá-las como o processo formativo da consciência do herói-narrador, que ensaia contar a um interlocutor culto a história de sua vida, seus amores e suas lutas no sertão. Como na Primeira Parte do romance – até o julgamento de Zé Bebelo e a morte de Joca Ramiro –, a ordem temporal dos acontecimentos está toda embaralhada, o que quase já não acontece na Segunda, o objetivo será o de recompô-la numa outra seqüência, de modo a podermos apreender e acompanhar o processo de constituição do herói Riobaldo/Cerzidor/Tatarana/Urutu Branco. De certo modo, para melhor revelar seu sentido narrativo, será isto que faremos: desembaralhar a Primeira Parte e embaralhar a Segunda. Através das lutas e amores do herói, procuraremos ver como ele evolui de uma condição passiva e subordinada de menino humilde e fraco à outra, de chefe jagunço valente e com poder de decisão e mando. O significado real e singular disso, da aquisição das capacidades dos chefes, é o fato da (trans)formação do sujeito não ser apenas o resultado de um processo gradativo de aprendizado e amadurecimento, mas o de equivaler a um salto, à uma negação de si, de seu ser anterior, como numa mudança de classe e depender dela, o que particulariza o mundo social do sertão, que metaforiza de algum modo também o movimento de mudanças e continuidades do país. Assim, o propósito do programa será ao mesmo tempo ontológico e histórico, pois ele tem em vista acompanhar o desenvolvimento ético e épico de formação e mudança do ser numa pessoa determinada, com consciência de si, do outro, do tempo e dos espaços sociais, no curso da história de um país específico, no caso, do Brasil. Sem excluirmos no desenvolvimento de ambos, herói e país, as razões necessárias dos seus saltos e milagres. O desdobramento disso será a luta do sujeito para, ao mesmo tempo, buscar a superação de si, das suas heranças, de seus limites e medos, e metamorfosear-se num outro ser e cumprir o que julgava como a sua missão épica, de herói do povo do sertão. Justificativa: A razão do curso será a de procurar realizar uma leitura integral do romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, nas suas instâncias formais e temáticas. Procuraremos entender a sua composição e o seu modo de desenvolvimento narrativo como necessários para figurar (inclusive mimeticamente) os conteúdos éticos e históricos da vida errática de um herói e um país, com os seus grandes obstáculos, impasses e saltos quase milagrosos. Conteúdo: I – Os Anos de Aprendizado. 1. A perspectiva do eu e o além do eu: uma questão de difícil resolução entre o herói, o narrador e o autor. O Menino e a travessia do São Francisco: a consciência das diferenças e do outro. 2. No São Gregório, no Curralinho, na Nhanva: as lições dos discursos: o que não aprender e do que desconfiar. 3. Os reconhecimentos: o reencontro com o Menino e a chegada de Joca Ramiro. 4. O Julgamento de Zé Bebelo: quem ser, ser quem? 5. Do São Gregório à Guararavacã do Guaicuí, a canção de Siruiz: nos remansos, o destino e os amores. 6. A morte de Medeiro Vaz: o conhecimento do verdadeiro amor e a consciência de si. II – Tempo de Guerra. 1. Na fazenda dos Tucanos: a consciência de lugar, de tempo e do poder. 2. A “descida na inferneira”, no fundo do poço: o Pubo, o Sucruiú, o Valado. A crise da consciência de si e do outro: o poder no centro de tudo. 3. Do Valado de seô Habão às Veredas Mortas do Pacto: o poder e a superação de si, metamorfoses. 4. A sucessão de Zé Bebelo e as novas alianças: tudo é política e poder. 5. As provas do Sussuarão e as lutas de morte no Paredão: sacrifício e revelação. 6. Do Sussuarão às Veredas Altas, dois encontros com a história: o passado e o futuro. Forma de Avaliação: Trabalho de final de curso.
ABEL, C. A. dos S.. Rosa Autor/Riobaldo Narrador. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003 ALBERGARIA, C.. Bruxo da Linguagem no Grande Sertão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1977 ARAUJO, H. V. de. Guimarães Rosa: Diplomata. Brasília: MEC/Fundação Alexandre de Gusmão, 1987 __________. O Roteiro de Deus. São Paulo: Editora Mandarim, 1996 __________. Palavra e Tempo. São Paulo: Editora Mandarim, 2001 ARRIGUCCI JR. D.. “Sertão: mar e rios de histórias”. In O Guardador de Segredos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010 __________. “Romance e experiência em Guimarães Rosa”. In Novos Estudos CEBRAP, no. 40, novembro de 1994 ARROYO, L.. A Cultura Popular em Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: INL\José Olympio editora, 1984 BIZZARRI, E.. J.Guimarães Rosa Correspondência (com seu tradutor italiano). 2a. ed.. São Paulo: T.A.QUEIROZ, 1981 BOLLE, W.. grandesertão.br. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2004 BOSI, A.. Céu, Inferno. São Paulo: Editora Ática, 1988 BRASIL, A.. Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1969 CANDIDO, A.. “O homem dos avessos”, in Tese e Antítese. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978 __________. “A nova narrativa”, in A Educação pela Noite. São Paulo: Ática, 1987 __________. “Jagunços mineiros de Cláudio a Guimarães Rosa”, in Vários Escritos. 3a. ed.. São Paulo: Duas Cidades, 1995 CANNABRAVA, E.. “Guimarães Rosa e a linguagem literária”, “Compreensão de Guimarães Rosa” e “Técnica literária e técnica lingüística”, in Estética da Crítica. Rio de Janeiro: MEC\ Serviço de Documentação, 1963 CASTRO, N. L. de. Universo e Vocabulário do Grande Sertão. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970 COUTINHO, E. de F. (org.). Guimarães Rosa. Coleção Fortuna Crítica 6. Rio de Janeiro: INL\Civilização Brasileira, 1983 DANTAS, P.. Sagarana Emotiva (Cartas de J. Guimarães Rosa). São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1975 DUARTE, L. P. e ALVES, M. T. A. (orgs.). Outras Margens (Estudos da obra de Guimarães Rosa). Belo Horizonte: Editora PUC-Minas/Autêntica, 2001 FANTINI, M.. Guimarães Rosa: Fronteiras, Margens, Passagens. São Paulo: Editora SENAC/Ateliê Editorial, 2004 FIALHO, S. A.. "Guimarães Rosa no mundo dos olhos", in O Mundo dos Olhos. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1975 FINAZZI-AGRÒ, E.. "A força e o abandono. Violência e marginalidade na obra de Guimarães Rosa", in Morte e Progresso. Org. de Francisco Foot Hardman. São Paulo: Editora UNESP, 1998 FREIXEIRO, F.. Da Razão à Emoção II (ensaios rosianos, outros ensaios e documentos). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1971 FREYRE, G.. "Presença de Guimarães Rosa e outras presenças", in Vida, Forma e Cor. Rio de Janeiro: José Olympio, 1962 GALVÃO, W. N.. Mitológica Rosiana. São Paulo: Ática, 1978 __________. As Formas do Falso. 2a. ed.. São Paulo: Perspectiva, 1986 __________. “O ciclo da donzela-guerreira”, in Gatos de Outro Saco. São Paulo: Brasiliense, 1981 __________. Desconversa. Rio de Janeiro: Editora URFJ, 1998 __________. Folha Explica Guimarães Rosa. São Paulo: Publifolha, 2000 __________. mínima mímica. São Paulo: Companhia das Letras, 2008 GARBUGLIO, J. C.. O Mundo Movente de Guimarães Rosa. São Paulo: Editora Ática, 1972 __________. Rosa em 2 Tempos. São Paulo: Nankin Editorial, 2005 GUINZBURG, J.. A Descoberta do Limite. Dissertação de mestrado apresentada à FFLCH/USP, em 1993 HANSEN, J. A.. o O – a ficção da literatura em Grande Sertão: Veredas. São Paulo: Editora Hedra, 2000 LEITE, D. M.. “Grande Sertão: Veredas” e “A ficção de Guimarães Rosa”, in O Amor Romântico e Outros Temas. São Paulo: Companhia Editora Nacional\EDUSP, 1979 __________. Psicologia e Literatura. 4a edição (pp. 178-198). São Paulo: UNESP\Hucitec, 1987 LIMA, S. M. van D. (org.), Ascendino Leite entrevista Guimarâes Rosa. João Pessoa: Editora Universitária, 1997 LINS, Á.. “Saga de Minas Gerais”, in Os Mortos de Sobrecasaca. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963 LOPES, P. C. C.. Utopia Cristã Sertão Mineiro. Petrópolis: Vozes, 1997 MACHADO, A. M.. Recado do Nome. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976 MARQUES, O.. “Canto e plumagem das palavras” e “A revolução Guimarães Rosa”, in A Seta e o Alvo. Rio de Janeiro: MEC\INL, 1957 MARTINS, H.. Do Barroco a Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Itatiaia/INL, 1983 MARTINS, N. S.’A.. O Léxico de Guimarães Rosa. São Paulo: EDUSP, 2001 MORAIS, M. M. de. A Travessia dos Fantasmas. Belo Horizonte: Autêntica, 2001 NUNES, B.. “O amor na obra de Guimarães Rosa”, “A viagem”, “A viagem do Grivo” e “Guimarães Rosa e tradução”, in O Dorso do Tigre. 2a. ed.. São Paulo: Perspectiva, 1976 __________. "De Sagarana a Grande Sertão: Veredas", in Crivo de Papel. 2ª ed.. São Paulo: editora Ática, 1998 __________. “De Sagarana a Grande Sertão: Veredas”. In Crivo de Papel. 2a. ed.. São Paulo: Editora Ática, 1998 OLIVEIRA, F.. “Guimarães Rosa”. In A Dança das Letras. Rio de Janeiro: Topbooks Editora, 1991 PASSOS, C. R. P.. Confluências – Crítica Literária e Psicanálise. São Paulo: EDUSP/ Nova Alexandria, 1995 ¬¬__________. Guimarães Rosa – Do Feminino e suas Estórias. São Paulo: FAPESP/HUCITEC, 2000 PAZ-ANDRADE, V.. A Galeguidade na Obra de Guimarães Rosa. São Paulo: Difel, 1983 PERRONE-MOISÉS, L.. Flores da Escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 1990 __________. Inútil Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000 PROENÇA, M. C.. “Trilhas no Grande Sertão”, in Augusto dos Anjos e Outros Ensaios. Rio de Janeiro: Grifo Edições, 1976 RÓNAI, P.. “A arte de contar em Sagarana”, “Rondando os segredos de Guimarães Rosa” e “Três motivos em Grande Sertão: Veredas”, in Encontros com o Brasil. Rio de Janeiro: MEC\INL, 1958 RONCARI, L.. O Brasil de Rosa – o Amor e o Poder. 2a. impressão revisada. São Paulo: Editora UNESP, 2004 __________. O Cão do Sertão. São Paulo: Editora UNESP, 2007 ROSA, V. G.. Relembramentos: João Guimarães Rosa, meu pai. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983 ROSENFIELD, K. H.. Roteiro de leituras - Grande Sertão: Veredas. São Paulo: Ática, 1992 __________. Os Descaminhos do Demo (tradição e ruptura em Grande Sertão: Veredas). São Paulo: IMAGO/EDUSP, 1993 __________. “A secreta presença de Gilberto Freire no imaginário de J.G.Rosa”, in SCARPELLI, M. F. e OLIVEIRA, P. M., Os Centenários: Eça, Freyre, Nobre. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2001 __________. Desenveredando Rosa. Rio de Janeiro: Topbooks, 2006 SCHWARZ, R.. “Grande Sertão: a fala” e “Grande Sertão e Dr. Faustus”, in A Sereia e o Desconfiado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965 SOUZA, R. de M.. Ficção & Verdade. Brasília: Clube de Poesia de Brasília, 1978 SPERBER, S. F.. Caos e Cosmos. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1976 __________. Guimarães Rosa, Signo e Sentimento. São Paulo: Ática, 1982 STARLING, H.. Lembranças do Brasil - Teoria, Política, História e Ficção em "Grande Sertão: Veredas". Rio de Janeiro: Editora Revan, 1999 THEOBALDO, C. e BITTENCOURT, E.. Duas Visões: Guimarães Rosa e Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Editora Ágora da Ilha, UTÉZA, F.. Metafísica do Grande Sertão. Tradução de José Carlos Garbuglio. São Paulo: EDUSP, 1994 VÁRIOS. Em Memória de Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1968 VÁRIOS. A Astúcia das Palavras: ensaios sobre Guimarães Rosa. Org. de Lauro Belchior Mendes e Luiz Cláudio Vieira de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998 VÁRIOS. Guimarães Rosa. Lisboa: Instituto Luso-Brasileiro, 1969 VÁRIOS. João Guimarães Rosa, Porto Alegre, Edições da F.F. da UFRGS, 1969 VIGGIANA, A.. Itinerário de Riobaldo Tatarana. Belo Horizonte\Brasília: Editora Comunicação\MEC, 1974

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
120
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
120

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA