Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
O DIÁRIO 'O TURISTA APRENDIZ' DE MÁRIO DE ANDRADE: DUAS VIAGENS, UM GÊNERO E A EDIÇÃO DE UMA OBRA IN
FLC
6273
4
17/05/2016 à -
Não
Objetivos: O objetivo da disciplina é analisar e interpretar, à luz da crítica literária e a crítica genética, a obra inacabada de Mário de Andrade O Turista Aprendiz, cuja criação se estende de 1927 a 1945, sustada pela morte do escritor, em 25 de fevereiro desse último ano. Pretende-se compreender a criação literária no projeto que explora um gênero de fronteira, neste caso o diário de viagem, e se materializa nos manuscritos votados à reelaboração dos registros feitos pelo modernista paulistano durante sua incursão ao Norte e ao Nordeste do Brasil, com ênfase na Amazônia, entre maio e agosto de 1927, bem como no decorrer de sua visita no Nordeste, entre novembro de 1928 a fevereiro de 1929. As aulas tencionam, portanto, acompanhar os procedimentos escriturais do diário que, em sua constituição fragmentária, ao fundir a crônica do cotidiano individual que lhe é inerente (Girard) e a narrativa de viagem à carta, ao conto, à crônica jornalística, à reportagem, convalida a modernidade no projeto andradiano, para além dos limites de sua época. Vale dizer, do diário que desenvolve uma viagem encenada, na qual submete a sequência dos registros e datas ao arranjo de sua trama, e, sobretudo, à verossimilhança, no bojo do nacionalismo crítico do primeiro tempo modernista. Deste modo, registros da viagem ao Nordeste tornam-se matéria da primeira incursão; a invenção ultrapassa o texto que absorve o cotidiano e as atividades do diarista, ao se lançar na ficção plasmada no dadaísmo e no surrealismo. Cabe à disciplina, em suma, estudar como testemunho e ficção se unem na escritura do diário que, ao receber um prefácio, em 30 dezembro de 1943, encaminha-se para a finalização em termos de um livro, sem, contudo, ter incluído o diário paralelo das imagens e legendas de Mário de Andrade igualmente moderno em sua prática de fotógrafo durante as duas viagens. Justificativa: A análise e a interpretação, no âmbito da crítica literária, do diário d’O Turista Aprendiz, obra inacabada de Mário de Andrade, que buscam compreender dimensões de um texto moderno e apoiam a discussão a respeito dos assim chamados gêneros híbridos ou de fronteira, veem-se enriquecidas com o estudo do trajeto da criação, fundamentado na crítica genética. Aprofunda-se, assim, a compreensão do texto, sobretudo quando se considera, no trabalho direto com os manuscritos, no desvendar da gênese da obra, a mobilidade da criação. Deste modo, o trabalho hermenêutico desdobra-se em reflexões e práticas metodológicas concernentes à preparação editorial de textos inéditos. Conteúdo: 1. O tempo e o texto I: caminhos da criação de Mário de Andrade ou as viagens e a reelaboração dos diários d’O Turista Aprendiz 2. O tempo e o texto II: caminhos da criação de Mário de Andrade ou as viagens e a reelaboração dos diários d’O Turista Aprendiz 3. O diário nas imagens e legendas do fotógrafo 4. Facetas de um diarista: a crônica do cotidiano. 5. Facetas de um diarista: o modernismo, a pesquisa ou a descoberta do Brasil 6. Facetas de um diarista: a transviagem da criação
ANDRADE, Mário de. As melodias do boi e outras peças. Edição preparada, introdução e notas de Oneyda Alvarenga. São Paulo: Duas Cidades/INL, 1987. _________. Danças dramáticas do Brasil. Edição preparada, introdução e notas de Oneyda Alvarenga. São Paulo: Martins, 1965. _________. Macunaíma o herói sem nenhum caráter. Ed. de texto apurado por Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo, acrescida de documentos. Rio de Janeiro: Agir, 2008. _________. Música de feitiçaria no Brasil. Edição preparada, introdução e notas de Oneyda Alvarenga. São Paulo: Martins, 1963. ________. Os filhos da Candinha. Ed. preparada por João Francisco Franklin Gonçalves e Aline Nogueira Marques. Rio de Janeiro : Agir, 2008. _________. “O movimento modernista”. In: Aspectos da literatura brasileira. 4ª ed. São Paulo/Brasília: Martins/INL, 1972, p. 239-240. _________. O Turista Aprendiz. Ed. fidedigna anotada, acrescida de dossiê de documentos do processo criativo, do CD-ROM Os diários do fotógrafo, por Leandro R. Fernandes, e do DVD de Luiz Bargmann, A casa do Mário. São Paulo/ Brasília: IEB-USP/IPHAN, 2015. Também disponível para download em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/O_turista_aprendiz.pdf _________. Táxi e crônicas no Diário Nacional. Ed. preparada por Telê Ancona Lopez. São Paulo: Duas Cidades, 1976. ANTONIO CANDIDO ET AL. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas: Ed. da UNICAMP; Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1992. _________. A educação pela noite e outros estudos. 2. ed. São Paulo: Ática, 1989. _________. “A vida ao rés-do-chão”. In: Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993, p. 23-29. ARRIGUCCI Jr., Davi. Fragmentos sobre a crônica. Boletim da Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, v. 46, nº 1/4, jan-dez. 1995. _________. “Móbile da memória”. In: Enigma e comentário: ensaios sobre literatura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 1957. BASTIDE, Roger. Sociologia do folclore brasileiro. São Paulo: Anhembi, 1959. BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de História”. In: Obras escolhidas. 4ª ed., v. 1. São Paulo: Brasiliense, s.d. BRETON, André. Manifestes du Surréalisme. Paris: Galimard, 1970. BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2005. CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos? Trad. de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. COGEZ, Gérad. Écrivains voyageurs au XXe. siècle. Paris: Seuil, 2004. DIMAS, Antonio. “A crônica”. In: Tempos eufóricos: a revista Kosmos. São Paulo: Ática, 1983. _________. “Ambigüidade da crônica”. In: Littera, a. 4, nº 12. Rio de Janeiro, dez. 1974, p. 46-51. DOSSE, François (Org.). O desafio biográfico: escrever uma vida. Trad. Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Edusp, 2009. GENETTE, Gérard. Paratextos editoriais. Trad. Álvaro Faleiros. Cotia - SP: Ateliê Editorial, 2009. GOMEZ-GÉRAUD, M. Christine e ANTOINE, Ph. (Org.). Roman et récit de voyage. Paris: Presses de l’Université de Paris-Sorbonne, 2001. GIRARD, Alain. Le journal intime. Paris: Presses Universitaires de France, 1963. GORIELY, Benjamin. Le avanguardie litterarie in Europa. Milão: Feltrinelli, 1967. GUSDORF, Georges. Les écritures du moi. Paris: Odile Jacob, 1991. HESÍODO. Os trabalhos e os dias. Tradução, introdução e comentários de Mary de Camargo Neves Lafer. 3ª ed. São Paulo: Iluminuras, 1995. IANNI, Otávio. “A metáfora da viagem”. In: Enigmas da modernidade-mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 11-31. LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico. Trad. Jovita G. Noronha e Maria Inês C. Belo Horizonte: UFMG, 2008. LOPEZ, Telê Ancona. Manuscrito: dimensões. Manuscrítica: Revista de Crítica Genética, nº 7. São Paulo, APML, 1998, p. 37-45. MORAES, Marcos Antonio de (Org.). Correspondência Mário de Andrade/ Manuel Bandeira. São Paulo: IEB/Edusp, 2000. _________. Câmara Cascudo e Mário: Cartas. São Paulo: Moderna, 2010. NADEAU, Maurice. Histoire du Surréalisme. Paris: Seuil, 1964. RONCARI, Luiz. “A crônica: duas ou três coisas que penso dela”. Folhetim, Folha de São Paulo, 9 de janeiro de 1983. TELLES, Gilberto Mendonça (Org.). Vanguarda europeia e modernismo brasileiro. Apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. Rio de Janeiro: Vozes, 1972. TZARA, Tristan. Sete manifestos dada. Trad. José Miranda Justo. Lisboa: Hiena, 1963. _________. Sept manifestes dada. Ilustr. Francis Picabia. Paris: Ed du Diorama, Jean Budry, s.d.

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
60
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
60

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA