Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
O POETA E SEU LUGAR: CONSTRUÇÕES DA AUTOIMAGEM E ALGUMAS FORMAS DE INSERÇÃO DO POETA NA LITERATURA B
FLC
6217
8
26/11/2013 à -
Não
A presente disciplina detem-se no exame de certas imagens autorais produzidas por nomes representativos da lírica brasileira nos séculos XIX e XX. Mais especificamente, o objetivo é de explorar a construção ficcionalizada que o poeta faz de si mesmo à luz (ou contraluz) de seu lugar social, de sua identidade histórica e da "cena literária" em que se mostra inscrito, levando-se em consideração as tensões do campo literário, a eleição da lírica frente aos demais gêneros ficcionais ou discursivos e o prestígio que cada um deles confere; os mecanismos de consagração, as mitologias pessoais ou de grupo, o problema da relative autonomia (ou não) desse campo (Bourdieu) em relação à sociedade etc. Para tanto, a proposta desta disciplina buscou, parcialmente, inspiração em um estudo do crítico e historiador francês José Luís-Diaz, intitulado L’Écrivain imaginaire. Scénographies auctoriales à l’époque romantique. Como o título indica, esse denso estudo trata das representações do escritor ou do "autor", entendido não na sua dimensão real ou civil (como homme de lettres), nem textual (como sujeito da enunciação), mas imaginária. Para isso, examina os dispositivos empregados pelos escritores para forjar a imagem de si mesmos no contexto literário sem precedentes de sagração do escritor (Paul Bénichou) como mago ou ser de exceção, que foi o romantismo, notadamente o francês. Diaz estabelece, assim, uma tipologia dos «estereótipos autorais » que estruturam o imaginário romântico e que continuam a ter validade para o restante do século XIX ou mesmo depois. Muito embora se tenha buscado inspiração no estudo de Diaz, o enfoque adotado no curso procede, muitas vezes, de outros teóricos, com o já referido Bénichou e o Bourdieu de As regras da arte, além de breves comentários sobre os "discursos de autoconstituição" e suasformas de legitimação, nos termos em que os formulou Dominique Maingueneau. Justificativa: O curso insere-se no trabalho de pesquisa que venho desenvolvendo sobre as representações autorais, do qual resultou minha tese de livre-docência (O poeta e a cena literária: figurações sincrônicas e anacrônicas), levada à defesa em junho de 2013. Tal pesquisa conta com apoio do CNPq, em projeto que trata especificamente da produção de três grandes poetas do século XX circunscritas no período do imediato pós-guerra até meados dos anos 1950, mas abordando questões já tratadas em outros momentos com corpus distinto. Os resultados parciais dessa pesquisa serão apresentados no curso, juntamente com o de pesquisas anteriores. Acredito que possam trazem questões teórico-críticas, depreendidas dos estudos indicados, que podem contribuir para pesquisadores da poesia do século XIX e XX, mesmo que não tratem dos autores e obras especificamente abordados no curso.
ACHCAR, Francisco. Lírica e lugar comum. Alguns Temas de Horácio e sua Presença em Português. São Paulo: Edusp, 1995. ADORNO, S. Os aprendizes do poder: o bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. ADORNO, Theodor W. “Aquellos Anos Veinte”. In: Intervenciones. Caracas: Monte Ávila Ed., 1960. ______. Notes sur la Litterature (trad. Sybille Muller). Paris: Flammarion, 1984. ______. “Lírica e sociedade” in BENJAMIN, HORKHEIMER, ADORNO e HABERMAS, Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1980. AGNEW, Wanessa. Enlightenment Orpheus: the Power of Music in Other Worlds. New York and Oxford: Oxford University Press, 2008. AGUILAR, G. Poesia Concreta Brasileira: as vanguardas na encruzilhada modernista. São Paulo: EDUSP, 2005. ANDERSON, Perry. Modernidade e revolução (trad. Maria Lúcia Montes). In: Novos estudos CEBRAP, no. 14. São Paulo, fev 1986: 2-15. ANDRADE, Fábio de Souza. O Engenheiro Noturno: a Lírica Final de Jorge de Lima. São Paulo: EDUSP, 1997. ANDRADE, Mário de. Aspectos da Literatura Brasileira. São Paulo: Martins, s/d. ______. O empalhador de passarinho. Belo Horizonte : Itatiaia, 2002. ______. Taxi e crônicas no Diário Nacional. São Paulo: Duas Cidades: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976. ______. A lição do amigo: cartas de Mário de Andrade a Carlos Drummond de Andrade. Rio de Janeiro: Record, 1988. ARANTES, Paulo Eduardo. Ressentimento da dialética: dialética e experiência intelectual em Hegel (Antigos Estudos sobre o ABC da miséria alemã). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. AZEVEDO, Antônio Álvares de. Obras Completas. São Paulo: Nacional, 1942: 2v. ______. Poesias completas. Edição crítica Péricles E. da Silva Ramos. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2002. ______. Teatro de Álvares de Azevedo: Macário/Noite na taverna. São Paulo: Martins Fontes, 2002. AUERBACH, Erich. Figura (trad. Duda Machado). São Paulo: Ática, 1997. ______. Ensaios de Literatura Ocidental: Filologia e Crítica (trad. Samuel Titan Jr. e José Marcos Mariani de Macedo). São Paulo: Ed. 34/Livraria Duas Cidades, 2007. BARNS, Richard G. Episodes in five poetic traditions: the sonnet, the pastoral elegy, the ballad, the ode, masks and voices. Chandler Publishing Company, 1972. BARNSTONE, Willis. Six masters of the Spanish Sonnet: Francisco de Quevedo, Sor Juana de la Cruz, Antonio Machado, Federico Garcia Lorca, Jorge Luiz Borges, Miguel Hernandez. Illinois: Southern Illinois UP, 1997. BAUDELAIRE, Charles. O pintor da vida moderna. Belo Horizonte, Autêntica, 2010. BENDA, Julien, La Trahison des clercs. Paris: Grasset (Les Cahiers Rouges), 1975. BÉNICHOU, Paul. La coronacion del escritor. Ensayo sobre el advenimiento de un poder espiritual laico en la Francia moderna. Trad. Aurelio Garzón del Caino. México: Fondo de Cultura Económica, 1981, p. 50-51. ______. El tiempo de los profetas. Doctrinas de la época romântica. Trad. Aurelio Garzón del Camino. México: Fondo de Cultura Económica, 2001. ______. L'école du désenchantement: Sainte-Beuve, Nodier, Musset, Nerval, Gautier. Paris: Gallimard, 1992. BENJAMIN, Walter. Angelus novus: saggi e frammenti (trad. Renato Solmi). Torino: Giulio Einaudi editore, 1962. ______. Origem do drama barroco alemão (trad. Sérgio Paulo Rouanet). São Paulo: Brasiliense, 1984. ______. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão (trad. Márcio Seligmann-Silva). São Paulo: EDUSP: Iluminuras, 1993. BOURDIEU, Pierre. As Regras da Arte. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. BOURGEOIS, René. L’Ironie Romantique: Spetacle et Jeu de Mme. Staël a Gerard de Nerval. Grenoble: Presses Universitaires de Grenoble, 1974. BRICOUT, Bernadette (org.). O olhar de Orfeu. São Paulo: Companhia das Letras. Trad. Lelita O. Benoit. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. BROWN, M. “Passion and love: anacreontic song and the roots of Romantic lyric”. English Literary History, Baltimore, v.66, n.2, p.373-404, Summer 1999. BUCI-GLUCKSMANN, Christine. “L´oeil de la pensée. Une mélancolie tragique” in L´ecrit du temps nº. 13: Figures de la mélancolie. Paris, Les Éditions de Minuit. Printemps 1987. BURGER, Peter. “O declínio da era moderna” (trad. Heloísa Jahn). In: Novos estudos CEBRAP, no. 20. São Paulo, mar 1988: 81-95. ______. Teoria da Vanguarda (trad. José Pedro Antunes). São Paulo: CosacNaify: 2008. CALAME, Claude. “ The tragic mask in Ancient Greece”. In History of religions, v. 26, no . 2. Chicago: The University of Chicago Press, nov 1986. CALDEIRA, Jorge. Mauá: empresário do Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p. 27-30. CALINESCU, Matei. Five Faces of Modernity. Durham: Duke University Press, 1987. CAMILO, Vagner. "O Aerólito e o Zelo dos Neófitos: Sérgio Buarque, Crítico de Poesia". Revista USP nº.80. São Paulo, dez./2008-fev./2009: 111-24. ______. Risos entre pares: poesia e humor românticos. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial, 1997. ______. Drummond: da Rosa do Povo à Rosa das Trevas. Cotia: Ateliê Editorial, 2005. ______. “Percalços da Modernidade Poética no Brasil: sobre a Reposição do Poético na Lírica do Pós-guerra”. In CORTEZ, Enrique E. e KIRKPATRICK, Gwen, Estar en el presente: literatura e nación desde el Bicentenario. Lima-Berkeley: LatinoAmericana Editores/Centro de Estudios Literarios Antonio Cornejo Polar, 2012: 163-187. _______. “No atoleiro da indecisão: Brejo das almas e as polarizações ideológicas nos anos 30”. In: ABDALA Jr. Benjamin e CARA, Salete de Almeida. (Org.). Moderno de nascença: figurações críticas do Brasil. 1 ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 2006, p. 122-49. _______.“O Fazendeiro do Ar e o Legado da Culpa”. In: PENJON, Jacqueline e PASTA Jr., José Antônio (org.). Littérature et Modernisation au Brésil. Paris, Presses de la Sorbonne Nouvelle, 2003, p. 205-227. ______. “A Cartografia Lírico-Social de Sentimento do Mundo”. Revista USP, nº. 54. São Paulo, jun-jul-ago 2002. (Tradução inglesa: “The Socio-Lyrical Cartography of Sentimento do Mundo”. Portuguese Studies, Londres (Kings College), v. 19, n. 1, p. 145-162, 2003). ____. “‘A um hotel em demolição’: a modernidade entre tapumes”. In FINAZZI-AGRÒ, Ettore, VECCHI, Roberto e AMOROSO, Maria Betânia. (Org.). Travessias do Pós-Trágico: os dilemas de uma leitura do Brasil. São Paulo: Unimarco Editora, 2006, v. 1, p. 93-108. ______. “De poetas, funcionários e engenheiros”. In Remate de Males, v. 26, n. 2, Campinas, 2006. ______. “Nos tempos de Antão”. Revista USP, São Paulo, n.40, 1998-1999. ______. “Álvares de Azevedo, o Fausto e o mito romântico do adolescente no contexto político-estudantil do Segundo Reinado”. Itinerários (UNESP. Araraquara), v. 33, p. 61-108, 2011. CANDIDO, Antonio. Brigada ligeira e outros ensaios. São Paulo: UNESP, 1992. ______. Teresina etc. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980. ______. Resenha sem Título, sobre as Poesias de Mário de Andrade. In: Clima, n0. 8. São Paulo, jan. 1942: 72-78. ______.“Literatura e Cultura de 1900 a 1945”. Literatura e Sociedade. São Paulo: Nacional, 1985. ______. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987. ______. O discurso e a cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1993. ______. Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. ______. Literatura e Sociedade. São Paulo: Nacional, 1985. ______. Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995. ______. Textos de Intervenção (org. Vinicius Dantas). Rio de Janeiro: Ed. 34, 2002. ______. Formação da Literatura Brasileira: Momentos Decisivos. Belo Horizonte, Ed. Itatiaia, 1981, 2v. ______. Tese e antítese: ensaios. São Paulo, Cia. Ed. Nacional, 1978. ______. Iniciação à literatura brasileira: resumo para principiantes. São Paulo: Humanitas, 1997. ______. “Antonio Candido: marxismo e militância” (entrevista concedida a José Pedro Renzi em fev 1992). In praga – revista de estudos marxistas no. 1. São Paulo: Boitempo Editorial, 1996. CARVALHO, José Murilo. A construção da ordem: a elite política imperial; Teatro de sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Relume-Dumará, 1996. CAVALHEIRO, Edgard (Testamento de uma Geração. Porto Alegre: Globo, 1944. CHAMBERS, Ross. Mélancolie et Oposition: les Débuts du Modernisme en France. Paris: José Corti, 1987. COMPAGNON, Antoine. Baudelaire devant l’innombrable. Paris: Presses de l’Université de Paris-Sorbonne, 2003. ______. Os Cinco Paradoxos da Modernidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. ______. O Demônio da Teoria. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003. ______. Os antimodernos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. CONORT, Benoît. «Orphée ou l’exaltation de la mort». Pierre Jean-Jouve: mourir en poésie. Villeneuve d’Ascq: Presses Universitaires de Septentrion, 2002. CONTE, Gian Biagio. “Aristaeus, Orpheus, and the Georgics”. The Poetry of Pathos: Studies in Virgilian Epic. Oxford/New York: Oxford UP, 2007. Correspondência de Cabral com Bandeira e Drummond (org. Flora Sussekind). Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Edições Casa de Rui Barbosa, 2001. DIAZ, José-Luís. L'écrivain imaginaire. Scénographies auctoriales à l'époque romantique. Paris: Honoré Champion, 2007. DRUMMOND DE ANDRADE, Carlos. Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1964. ______. Nova Reunião: 19 Livros de Poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1987: 2v. ______. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992. ______. O Observador no escritório. Rio de Janeiro: Record, 1985. ______. Passeios na Ilha. Rio de Janeiro: Simões, 1952. ______. Antologia poética. Rio de Janeiro: Ed. do Autor, 1962. ______. Farewell. Rio de Janeiro: Record, 1996. ______. Tempo, Vida, Poesia. Rio de Janeiro: Record, 1986. ______. A Lição do Amigo: Cartas de Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Record, 1987. ______. Brasil, Terra e Alma - Minas Gerais. Rio de Janeiro: Ed. do Autor, 1967. ______. Autorretrato e outras crônicas. Rio de Janeiro: Record, 1989. ______. “Manuscrito do poeta Carlos Drummond de Andrade” (ed. A. Massi). Cultura Vozes nº. 4, jul.-ago. 1994, pp.75-82. ELIOT, T. S. Notas para uma Definição da Cultura. São Paulo: Perspectiva, 1991. ______. Ensaios. São Paulo: ArtEditora, 1989. ______. De Poesia e Poetas. São Paulo: Brasiliense, 1985. ______. Selected prose. New York: Pengin, 1953 ENZENSBERGER, Hans Magnus. “As aporias da vanguarda” (trad. Ana Maria Lima Teixeira). In: Tempo Brasileiro: Vanguarda e Modernidade, n0. 26-27. Rio de Janeiro, jan.-mar. 1971: 85-112. ESCOREL, Lauro. A Pedra e o Rio: Uma Interpretação da Poesia de João Cabral. São Paulo: Duas Cidades, 1973. EULÁLIO, Alexandre. Escritos. Campinas: Ed. da Unicamp; São Paulo: Ed. da Unesp, 1992. FERRAZ, Eucanaã. "Anfion, arquitecto". In: Revista Colóquio/Letras. Ensaio, n.º 157/158, Jul. 2000: 81-98. FRANCHETTI, Paulo. Poesia e Técnica: Poesia Concreta. Sibila: Poesia e Cultura. Web. 28 Oct. 2010. ‹http://sibila.com.br/›. GÉNETIOT, Alain. Le classicisme. Paris: Quadrige/PUF, 2005. GLEDSON, John. Poesia e poética em Carlos Drummond de Andrade. São Paulo: Duas Cidades, 1981. ______. Influências e impasses: Drummond e alguns contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. GUTHRIE, W. K. C. Orphée et la Religion Grecque: Études sur la Pensée Orphique (trad. S. M. Guillemin). Paris: Payot, 1956. HOLANDA, Sérgio B. de. O espírito e a Letra: Estudos de crítica Literária (org. Antonio Arnoni Prado). São Paulo: Companhia das Letras, 1996, 2v. ______. Visão do paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo, Brasiliense, 1994. ______. Capítulos de Literatura Colonial. São Paulo, Brasiliense, 1991. ______. Tentativas de mitologia. São Paulo: Perspectiva, 1979. ______. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio Ed., 1988. HORÁCIO. Arte poética (Epistula ad Pisones). In A poética clássica (trad. Jaime Bruna). São Paulo: Cultrix, 1985. JOHNSON, Randal. “A dinâmica do campo literário brasileiro (1930-1945)” (trad. Antonio Dimas). In: Revista USP, n0. 26. São Paulo, jun.-ago. 1995: 164-181. JOHNSON, W.R. The Idea of Lyric: Lyric Modes in Ancient and Modern Poetry. Berkeley – Los Angeles – London: Univeristy of California Press, 1982. LEPENIES, Wolf. As Três Culturas. São Paulo: Edusp, 1996. LOUIS, Kenneth R. R. Gros. “The Triumph and Death of Orpheus in the English Renaissance”. Studies in English Literature, 1500-1900, vol. 9, no. 1. The English Renaissance (Winter, 1969), Rice Univ., p. 63-80. LUSTOSA, I. D. Pedro I: um herói sem nenhum caráter. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária. (trad. Marina Appenzeller). São Paulo: Martins Fontes, 1995. ______. Discurso literário. (trad. Adail Sobral). São Paulo: Contexto, 2006. MELO NETO, João Cabral. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995. MENDES, Murilo. Poesia Completa e Prosa (org. Luciana Stegagno Picchio). Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994. MENNINGHAUS, Winfried. Les Sciences des Seuils. In: WISMANN, Heinz (org.). Walter Benjamin et Paris. Colóquio Internacional, 27-29 jun, 1983. Paris: Cerf, 1986. MERQUIOR, José G. Razão do Poema. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1965, ______. A Astúcia da Mimese: ensaios sobre a lírica. Rio de Janeiro: Topbook, 1997. ______. Verso Universo em Drummond. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975. ______. O Fantasma Romântico e Outros Ensaios. Petrópolis: Vozes, 1980. MICELI, Sérgio. Intelectuais e classes dirigentes no Brasil (1920-1945). São Paulo: Difel, 1979. Modernités 8, Le sujet lyrique en question Bordeux, Presses Universitaires de Bordeaux, 1996 MOISÉS, Carlos F., “Geração, gerações: esboço de introdução à poesia brasileira contemporânea”. In: Revista de Critica Literaria Latinoamericana, ano xxvi, no. 51. Lima-Hanover, 1er. semestre del 2000. MORAES, Eduardo Jardim de. Limites do Moderno: o Pensamento Estético de Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999. PARKER, Patricia & HOSEK, Javiva (orgs.).Lyric Poetry: Beyond New Criticism. Ithaca/London: Cornell, 1985. PÉCAUT, Daniel. Os Intelectuais e a política no Brasil: entre o Povo e a Nação. São Paulo: Ática, 1990. PERKINS, David. A History of Modern Poetry: Modernism and After. Cambridge, Massachusetts, and London: Harvard University Press, 1987. PERL, Jeffrey M. The Tradition of Return: The Implicit History of Modern Literature. Princeton: PREMINGER, Alex & BROGAN, T.V.F. (eds.). The New Princeton Encyclopedia of Poetry and Poetics. New Jersey: Princeton University Press, 1993. RABATÉ, Dominique (ed.). Figures du sujet lyrique. Paris, PUF, 1996. ROSEN, Charles. Poetas românticos, críticos e outros loucos. (trad. José L. de Melo). Campinas: Ed. Unicamp/Ateliê Ed. 2004. ROSENBERG, Harold. La Tradiction du Nouveau. Paris: Ed. Minuit, 1962. SANTIAGO, Silviano. “A permanência do discurso da tradição no modernismo”. In: ______. Nas malhas da letra. Rio de Janeiro: Rocco, 2002. p.108-144. SARTRE, Jean-Paul. O que é Literatura? São Paulo: Ática, 1993. ______ “L’Engagement de Mallarmé”. Obliques, n. 18/19, 1979. SCHWARTZMAN, Simon. O Intelectual e o Poder: a Carreira política de Gustavo Capanema. In VVAA. A Revolução de 30: Seminário Internacional. Brasília: UnB, 1983: 365-398. SEGAL, Charles. “Poetic Immortality and the Fear of Death:The Second Proem of the De Rerum Natura”. Harvard Studies in Classical Philology, Vol. 92, (1989), p. 193-212. ______. , “Messages to the Underworld: An Aspect of Poetic Immortalization in Pindar”. The American Journal of Philology, v. 106, no. 2 (Summer, 1985), p. 199-212. ______. Orpheus: the myth of the poet. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1993. SEVCENKO, Nicolau, Literatura como missão. São Paulo: Brasiliense, 1999. SILVA, Domingos Carvalho da. Correio Paulistano. São Paulo, 8 mai 1948 e 13 jun 1948. ______. Eros & Orfeu. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1966. ______. Poemas escolhidos. São Paulo: Clube de Poesia, 1956. SILVA, Francis P. Lopes da. Murilo Mendes: Orfeu Transubstanciado. Viçosa: UFV, 2000. SILVA, José Borzachiello da. “Formação sócio-territorial urbana de Fortaleza”. Os incomodados não se retiram: uma análise dos movimentos sociais em Fortaleza. Fortaleza, Multigraf Ed., 1992, pp.21-22. SILVER, Kenneth E. Vers le retour à l’ordre: L'avant-garde parisienne et la première guerre mondiale. Paris: Flammarion, 1991. SIMON, Iumna M. “Esteticismo e Participação”. In Ana Pizarro (org.). América Latina: Palavra, Literatura e Cultura. São Paulo: Memorial da América Latina; Campinas: UNICAMP, 199: v.3. ______. Drummond: uma poética do risco. São Paulo: Ática, 1978. STAROBINSKI, Jean. Montaigne em movimento (trad. Maria Lúcia Machado). São Paulo: Companhia das Letras, 1993. ______. Jean Jacques Rousseau: a transparência e o Obstáculo. São Paulo: Companhia das Letras. ______. La mélancolie au miroir: trois lectures de Baudelaire. Paris: Julliard, 1989. ______. As máscaras da civilização. São Paulo, Companhia das Letras, 2001. ______. Portrait de l’artiste en saltimbanque. Paris: Gallimard, 2004. STEINER, George. No Castelo do Barba Azul - Algumas notas para a redefinição da cultura. (Trad. Tomás Rosa Bueno). São Paulo: Companhia das Letras, 1991. ______. Linguagem e silêncio. - Ensaios sobre a crise da palavra. (Trad. Gilda Stuart e Felipe Rajabally). São Paulo: Companhia das Letras, 1988. SUBIRATS, Eduardo. Paisagens da solidão. São Paulo, Duas Cidades, 1986. SUSSEKIND, Flora. “Rodapés, Tratados e Ensaios: A Formação da Crítica Brasileira Moderna”. Papéis Colados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1993, p. 14-21. TAMBLING, Jeremy. On anachronism. Manchester: Manchester University Press 2010. ______. Becoming Posthumous: Life and Death in Literary and Cultural Studies. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2001. VALÈRY, Paul. Variedades. (trad. Maiza Martins de Siqueira). São Paulo: Iluminuras, 1991. ______. Tel quel 1: Cosas calladas. Moralidades. Literatura. Cuaderno B 1910. (trad. Nicanor Ancochea). Barcelona: Les ediciones liberales/Editorial Labor, 1977. ______. Oeuvres. (org. Jean Hytier). Paris: Gallimard, 1957, 2v. (Bibliothéque de la Pléiade). ______. Cultura. (Trad. Lólio Lourenço de Oliveira) São Paulo: Paz e Terra, 2008. ______. Cultura e sociedade: 1780-1950. Trad. de Leonidas H. B. Hegenberg). São Paulo: Cia Ed. Nacional, 1969. ______. “A fração Bloomsbury”. (Trad. Rubens de Oliveira Martins e Marta C. de Barros). Plural. Revista de Sociologia da USP. São Paulo n. 6 1º. Semestre 1999: 139-168. ZINK, Paul. La subjectivité littéraire. Paris, PUF (Écriture), 1985. ZONANA, Víctor G. Orfeos argentinos:la lírica del ’40. Mendoza: EDIUNC, 2001.

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
120
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
120

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA