Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
LITERATURAS DA FLORESTA
FLC
6226
4
20/05/2014 à -
Não
Esta disciplina se organiza em torno de dois objetivos complementares. O primeiro é discutir características formais, temáticas e filosóficas de algumas narrativas indígenas das terras baixas da América do Sul, isto é, narrativas coletadas entre povos indígenas do Brasil e países vizinhos, ou publicadas por autores indígenas. O segundo é analisar o impacto dessas narrativas na literatura brasileira de modo geral. Justificativa: Do romantismo ao modernismo, e do modernismo aos dias atuais, é indiscutível a influência do modo de narrar ou cantar indígena em vários autores brasileiros. Ansiosos por conhecer mais sobre o seu país e os povos que aqui viviam antes da chegada dos europeus, esses autores não resistiram ao impulso de recriar personagens, roubar enredos, citar parágrafos e páginas inteiros, e em alguns casos até mesmo a adotar em suas obras a estrutura dos textos indígenas. Não obstante, ainda são raros os críticos e historiadores literários que se detêm sobre esse processo de apropriação cultural. As fontes indígenas têm sido basicamente ignoradas, tanto como antecedentes indispensáveis para escritos posteriores, como pelo seu valor intrínseco como literatura. Nas pouquíssimas ocasiões em que os textos indígenas foram levados em conta, seu papel ficou restrito ao de mero material etnográfico ou matéria prima sem valor estético ou literário. Por este motivo, a noção de intertextualidade, fundamental para a sua compreensão, não tende a ser levantada. Conteúdo: 1. Literatura indígena e ‘etnoliteratura’: aportes teóricos. 2. Cronistas coloniais e o Romantismo: o caso Gonçalves Dias. 3. Macunaíma (Mário de Andrade) e as fontes pemons. 4. ‘Cobra Norato’ (Raul Bopp) e ‘Meu Tio o Iauaretê’ (João Guimarães Rosa). 5. Maíra (Darcy Ribeiro), cosmologia tupi-guarani e organização social gê-bororo. 6. Perspectivismo, ‘narrativismo’, e a importância da transformação em narrativas indígenas.
Abbeville, Claude d'. 1975. História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e terras circunvizinhas. Trad. Sérgio Milliet. Belo Horizonte: Itatiaia. Amorim, Antônio Brandão de. 1987. Lendas em Nheengatú e em Português. Manaus: Fundo Editorial-ACA. Andrade, Mário de. 1988. Macunaíma. O Herói sem Nenhum Caráter. Org. Telê Ancona Lopez. Paris: Association Archives de la Littérature latino-américaine, des Caraibes et africaine du XXe siècle; Brasilia: CNPQ. Antelo, Raúl. 1988. 'Macunaíma: Apropriação e Originalidade'. In Macunaíma. O Herói sem Nenhum Caráter, org. Telê Ancona Lopez. Paris: Association Archives de la Littérature latino-américaine, des Caraibes et africaine du XXe siècle; Brasilia: CNPQ. Averbuck, Lígia Morrone. 1985. Cobra Norato e a Revolução Caraíba. Rio: José Olympio. Basso, Ellen. 1987. In Favor of Deceit. A Study of Tricksters in an Amazonian Society. Tucson: University of Arizona Press. Bopp, Raul. 1966. Movimentos Modernistas no Brasil. 1922-1928: Rio: São José. ------ . 1977. Vida e Morte da Antropofagia. Rio: Civilização Brasileira; Brasília: INL. ------. 1999. 'Cobra Norato'. in Poesia Completa. Org. Augusto Massi. Rio: José Olympio; São Paulo: EDUSP, 1998. Bosi, Alfredo. 1970. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix. ------ . 1988. 'Situação de Macunaíma'. In Mário de Andrade, Macunaíma. O Herói sem Nenhum Caráter. Org. Telê Ancona Lopez. Cadogan, León. 1959. Ayvu Rapyta: textos míticos de los mbyá-guarani del Guairá. Vol. 227 of Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. São Paulo: USP. Camargo, Suzana. 1977. Macunaíma: Ruptura e Tradição. São Paulo: Massao Ohno; João Farkas. Caminha, Pero Vaz de. 1974. Carta a el-rei dom Manuel sobre o achamento do Brasil. 1o de maio de 1500. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda. Campos, Haroldo de. 1973. Morfologia do Macunaíma. São Paulo: Perspectiva. ------. 1983. 'A Linguagem do Iauaretê'. In Guimarães Rosa, org. Eduardo F. Coutinho. Rio: Civilização Brasileira. Castello, José Aderaldo. 1953. A Polêmica sôbre a Confederação dos Tamoios. São Paulo: FFCL-USP. Castro, Eduardo B. Viveiros de. 2002. A Inconstância da Alma Selvagem. São Paulo: Cosac e Naify. ——. 1986. Araweté: os deuses canibais. Rio: Jorge Zahar. Clastres, Hélène. 1975. La terre sans mal: le prophétisme tupi-guarani. Paris: Seuil. Colbacchini, Antonio, and Cesar Albisetti. 1942. Os Boróros Orientais: Orarimogodogue do Planalto Oriental de Mato Grosso. São Paulo: Nacional. Cunha, Manuela Carneiro da, ed. 1992. História dos Índios no Brasil. São Paulo: FAPESP; Companhia das Letras; SMC. Dias, Antonio Gonçalves. 1965. ‘Americanas'. In Poesias Completas.Vol. 2. Rio: Científica. ------. s.d. 'O Brasil e a Oceania'. Obras Posthumas de Gonçalves Dias. Rio: Garnier. ——. s.d. 'Meditação'. Obras Posthumas de Gonçalves Dias. Rio: Garnier. Dundes, Alan. 1962. The Morphology of North American Indian Folktales. Ph.D. diss., Indiana University. Fernandes, Florestan. 1970. A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá. São Paulo: Pioneira; EDUSP. Fonseca, Maria Augusta. 1988. 'A Carta pras Icamiabas'. In Mário de Andrade. Macunaíma. O Herói sem Nenhum Caráter. Org. Telê Ancona Lopez. Paris: Association Archives de la Littérature latino-américaine, des Caraibes et africaine du XXe siècle; Brasilia: CNPQ. Gandavo, Pero de Magalhães. 1964. História da Província de Santa Cruz. Tratado da Terra do Brasil. 1576. São Paulo: Obelisco. Galvão, Walnice Nogueira. 1979. 'Indianismo Revisitado'. Cadernos de Opinião 13: 36-43. Garcia, Othon Moacyr. 1962. Cobra Norato. O Poema e o Mito. Rio: São José. Koch-Grünberg, Theodor. Do Roraima ao Orinoco. Observações de uma viagem pelo norte do Brasil e pela Venezuela durante os anos de 1911 - 1913. Trad. de Cristina Alberts-Fraoco. São Paulo: UNESP, 2006. ——. 1928. Vom Roroima zum Orinoco. Ergebnisse einer Reise in Nordbrasilien und Venezuela in den Jahren 1911-1913. Vol. 4. Berlin: D. Reimer. Léry, Jean de. 1972. Histoire d'un voyage fait en la terre du Brésil autrement dite Amérique. 1578. Lausanne: Bibliothèque Romande. Lopez, Telê Porto Ancona. 1974. Macunaíma: a Margem e o Texto. São Paulo: Hucitec; SCET. Martins, Wilson. 1965. O Modernismo. Literatura Brasileira. Vol. 6. São Paulo: Cultrix. Matos, Cláudia Neiva de. 1988. Gentis Guerreiros. São Paulo: Atual. Métraux, Alfred de. 1950a. 'Jaguar-Man'. In Funk & Wagnalls Standard Dictionary of Folklore, Mythology and Legend, edited by Maria Leach. Vol 2. New York: Funk and Wagnalls. ------. 1950b. A Religião dos Tupinambás e suas Relações com as Demais Tribos Tupi-Guarani. Trad. Estevão Pinto. São Paulo: Editora Nacional. Moraes, Raimundo.1936. Na Planície Amazônica. 4th ed. São Paulo, Companhia Editora Nacional. Nabuco, Joaquim. 1941. O Direito no Brasil. São Paulo: Nacional. Nimuendaju, Curt. 1987. As Lendas da Criação e Destruição do Mundo como Fundamentos da Religião dos Apapocúva-Guarani. Trad. Charlotte Emmerich e Eduardo B. Viveiros de Castro. São Paulo: Hucitec/Edusp. Pãrõkumu, Umusi and Tõrãmã Kuhíri. 1995. Antes o Mundo não Existia. Mitologia dos antigos Desana-Kehíripõrã. São João Batista do Rio Tiquié: UNIRT/FOIRN. Pereira, Lúcia Miguel. 1943. A Vida de Gonçalves Dias. Rio: José Olympio. Pratt, Mary Louise. 1992. Imperial Eyes. Travel Writing and Transculturation. London: Routledge. Proença, M. Cavalcanti. 1987. Roteiro de Macunaíma. Rio: Civilização Brasileira. Ribeiro, Darcy. 1970. Os Índios e a Civilização. Rio: Civilização Brasileira. ------. 1996. Maíra. São Paulo: Companhia das Letras. ------. 1996. Diários Índios: os Urubus-Kaapor. São Paulo: Companhia das Letras. Rosa, João Guimarães. "Meu Tio o Iauaretê". 1969. Estas Estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969. 126-159 Sá, Lúcia. Literaturas da Floresta. Textos Amazônicos e Cultura Latino-americana. Rio: EdUERJ, 2012. Sousa, Gabriel Soares de. 1971. Tratado Descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Nacional; Edusp. Souza, Antônio Cândido de Mello e. 1971. Formação da Literatura Brasileira. Vol. 2. S_o Paulo: Martins. Souza, Eneida Maria de. 1988. “Macunaíma”: a Pedra Mágica do Discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG. Souza, Gilda de Mello e. 1979. O Tupi e o Alaúde: uma Interpretação de “Macunaíma”. São Paulo: Duas Cidades. Staden, Hans. 1974. Duas Viagens ao Brasil. Trad. Guiomar de Carvalho Franco. São Paulo: EDUSP; Belo Horizonte: Itatiaia. Thomas, David John. 1982. Order Without Government: The Society of the Pemon Indians of Venezuela. Vol. 13 of Illinois Studies in Anthropology. Urbana: University of Illinois Press. Treece, David. 2000. Exiles, Allies, Rebels. Brazil’s Indianist Movement, Indigenist Politics, and the Imperial Nation-State. Westport; London: Greenwood press. Tufic, Jorge. 1987. 'Brandão de Amorim e a Literatura Naciona'l. In Lendas em Nheengatu e em Português by Antonio Brandão do Amorim. Manaus: Fundo Editorial.

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
60
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
60

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA