Brasil

Dados da Disciplina

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
LITERATURA BRASILEIRA (33002010110P0)
HERANÇA PORTUGUESA E RELAÇÕES COLONIAIS NA OBRA DE MACHADO DE ASSIS
FLC
6216
8
26/11/2013 à -
Não
O curso tem como objetivo examinar um conjunto de poemas e textos em prosa de Machado de Assis associados a temas e formas da tradição literária portuguesa, visando a entender as circunstâncias de produção, circulação e recepção desses textos à luz das relações afetivas e literárias de Machado de Assis com Portugal e a cultura portuguesa. Essas referências serão lidas em conexão com as condições de produção, circulação e recepção desses textos, nos dois lados do Atlântico, e também com a história da difusão e recepção da obra machadiana em Portugal. Esse conjunto de textos será pensado como parte integrante do quadro complexo das relações coloniais e pós-coloniais, que marcam os vínculos históricos entre Brasil e Portugal, que foram vividos, representados e sofridos pelo escritor durante seu período de vida, com consequências para a recepção contemporânea e póstuma de sua obra em Portugal e no Brasil. Justificativa: O curso insere-se no trabalho de pesquisa que venho desenvolvendo sobre a obra de Machado de Assis e sua recepção crítica, buscando compreender as relações do escritor e de sua obra com a cultura e a produção literária portuguesas, mais estreitas e constantes do que fazem crer as biografias e as vertentes principais da crítica machadiana do século XX, preocupadas em enfatizar ou a brasilidade do escritor e de sua obra ou o seu caráter universal. Postulando-se a possibilidade de leitura da obra de Machado de Assis como um sistema coerentemente organizado – e não marcado apenas por rupturas e cortes abruptos – busca-se estabelecer conexões entre esses textos praticamente esquecidos e aqueles outros textos tornados canônicos. Conteúdo: 1. “Há um arrabalde em Cartago para uma aula de Atenas”: a presença portuguesa no Rio de Janeiro oitocentista. 2. A circulação e a recepção da obra de Machado de Assis em Portugal. 3. Um cronista de além-mar: as crônicas de Machado em O Futuro. 4. Fluxos transatlânticos: personagens e temas portugueses na correspondência de Machado de Assis. 5. As cartas de Miguel de Novais para Machado de Assis. 6. A poesia de Machado de Assis e a tradição portuguesa. 7. Crisálidas e o caso dos versos alexandrinos. 8. “A derradeira injúria”: os sonetos em homenagem ao Marquês de Pombal. 9. Os sonetos a Camões. 10. Um poema herói-cômico: “O Almada”. 11. Machado e Eça: divergências sobre o romance e a tradição portuguesa no romance machadiano. 12. O Memorial de Aires como liquidação das heranças portuguesas.
Sobre a obra de Machado de Assis: BOSI, Alfredo. “Uma figura machadiana”. In: Machado de Assis: o enigma do olhar, 4ª. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007, pp. 127-148. CANDIDO, Antonio. “Esquema de Machado de Assis”. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1970. CORRESPONDÊNCIA de Machado de Assis: tomos I, II, III e IV. Coordenação e orientação Sergio Paulo Rouanet; reunida, organizada e comentada por Irene Moutinho e Sílvia Eleutério. Rio de Janeiro: ABL, 2008, 2009, 2011 e 2012. MACEDO, Helder. “Machado de Assis: entre o lusco e o fusco”. Colóquio Letras. Lisboa, n. 121-122, jul./dez. 1991. _______ “Machado e Camões: a citação enquanto tensão entre ficção e história”. In: MENDES, Eliana Amarante de Mendonça, OLIVEIRA, Paulo Motta de; BENN-IBLER, Veronika (org.). Revisitações: edição comemorativa 30 anos da Faculdade de Letras da UFMG. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 1999. PAES, José Paulo. “Um aprendiz de morto”. In: Gregos & baianos. São Paulo: Brasiliense, 1985, pp. 13-36. GLEDSON, John. Machado de Assis: ficção e história.. _____ Machado de Assis: impostura e realismo – uma reinterpretação de Dom Casmurro. São Paulo: Cia. das Letras, 1999. GUIMARÃES, Hélio de Seixas. Os leitores de Machado de Assis – o romance machadiano e o público de literatura no século 19. São Paulo: Nankin/Edusp, 2004. OLIVER, Élide Valarini. “A poesia de Machado no século XXI: revista, revisão”. In: Ministério das Relações Exteriores. Ensaios premiados – A obra de Machado de Assis. Brasília, 2006, pp. 119-178. SCHWARZ, Roberto. Um Mestre na Periferia do Capitalismo: Machado de Assis. São Paulo, Livraria Duas Cidades, 1990. SOUSA, José Galante de. Bibliografia de Machado de Assis, Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cultura/ Instituto Nacional do Livro, 1955. _______ Prosa e poesia. Organização e prefácio de José Galante de Sousa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.  Fontes para o estudo de Machado de Assis, Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cultura/ Instituto Nacional do Livro, 1958. Sobre as relações Brasil-Portugal e a circulação da obra machadiana em Portugal: BUENO, Fátima. Machado de Assis e Eça de Queirós: para além da polêmica... Machado Assis Linha, Rio de Janeiro , v. 5, n. 10, p. 26-40, dez. 2012 . Disponível em . acessos em 18 nov. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-68212012000200004. FRANCHETTI, Paulo. Estudos de literatura brasileira e portuguesa. São Paulo: Ateliê Editorial, 2007. GALVÃO, José. Faustino Xavier de Novais, sa vie et son oeuvre satirique, 3 vols. Mimeo. Tese de doutorado. Montpellier: Université Paul-Valéry, 1989. _______“Faustino Xavier de Novais e Machado de Assis”. Estudos portugueses e africanos. Campinas, n. 15, jan./jun. 1990. GOUVEIA, Maria Margarida Maia. “Sobre as relações culturais entre Portugal e o Brasil nos fins do século XIX: uma carta de Fran Paxeco a Teófilo Braga. Separata de Arquipélago. Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 1983. MASSA, Jean-Michel. A juventude de Machado de Assis (1839-1870) – Ensaio de biografia intelectual. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971. _______ “Un ami portugais de Machado de Assis: Antonio Moutinho de Sousa”. Revista da Faculdade de Letras de Lisboa, n. 13, 1971. Separata. NEVES, João Alves das. “Machado de Assis e os portugueses”. O Estado de S. Paulo, 15.07.1967._________ Um amigo português de Machado de Assis: Antônio Moutinho de Sousa. Machado Assis Linha, Rio de Janeiro , v. 5, n. 10, p. 10-25, dez. 2012 . Disponível em . acessos em 18 nov. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-68212012000200003. _______ As relações literárias de Portugal com o Brasil. Biblioteca Breve, volume 130. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1992. NOGUEIRA, CARLOS. A sátira na poesia portuguesa: e a poesia satírica de Nicolau Tolentino, Guerra Junqueiro e Alexandre O'Neill. Tese de doutorado em Letras. Faculdade de Letras, Universidade do Porto, 2007. RODRIGUES, Ernesto. _______ Cultura literária oitocentista. Porto: Lello Editores, 1999. _______ Verso e prosa de Novecentos. Lisboa: Instituto Piaget, 2000. SANDMANN, Marcelo Corrêa. Aquém-além mar: presenças portuguesas em Machado de Assis. 2004. 491 f. Tese (Doutorado em Teoria e História Literária). Universidade Estadual de Campinas. _______ Camilo Castelo Branco e Machado de Assis nas Páginas de 'O Futuro'. Revista Letras (Curitiba), v. 88, p. 117-126, 2013. _______ Presença Camoniana na Poesia de Machado de Assis: Crisálidas (1864), Falenas (1870) e Americanas (1875). Crítica Cultural, v. 3, p. ---, 2008. SARAIVA, Arnaldo. “Machado de Assis in Portugal”. In: ROCHA, João Cezar de Castro (ed.). The author as plagiarist: the case of Machado de Assis. Dartmouth: University of Massachusetts Dartmouth, 2006. SAYERS, Raymond S. “Machado de Assis in nineteenth-century Portugal”. In: MULVIHILL, E. R. (ed.). Studies in honor of Lloyd A. Kasten. Madison: Hispanic Seminary of Medieval Studies, 1975. VIEIRA, Brunno V. G. “José Feliciano de Castilho e a clâmide romana de Machado de Assis”. Machado de Assis em linha, v. 2, n. 4, p. 125-140, dez. 2009. Disponível em http://machadodeassis.fflch.usp.br/sites/machadodeassis.fflch.usp.br/files/u73/num04artigo07.pdf Sobre o período colonial e teoria pós-colonial: ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas – reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. ARENAS, Fernando. “(Post)colonialism, Globalization, and Lusofonia or The ‘Time-Space’ of the Portuguese-Speaking World”. In: UC Berkeley: Institute of European Studies. Dec. 1, 2009. Disponível em , consultado em 10.08.2011. ASHCROFT, Bill; GRIFFITHS, G.; TIFFIN, H. (orgs.) The Empire Writes Back: Theory and Practice in Post-Colonial Literatures. Londres e Nova York: Routledge, 1989. BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. BOEHMER, Elleke. Colonial & Postcolonial Literature. Oxford: Oxford University Press, 2005. BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das letras, 1992. ________ Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos, 1750-1880. 12.a edição. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul; São Paulo: FAPESP, 2009. _______ Vários Escritos, São Paulo: Duas Cidades, 1970. CHAKRABARTY, Dipesh. Provincializing Europe – Postcolonial thought and historical difference. Princeton: Princeton University Press, 2000. CHATTARJEE, Partha. The nation and its fragments. Colonial and postcolonial histories. Princeton: Princeton University Press, 1993. CLARA, Fernando. “ ‘Anywhere out of the World’. Portugal: perspectivas europeias”. Conferência apresentada na Universidade de Kentucky, Lexington, 22-24 de abril de 1999. Disponível em http://www.fcsh.unl.pt/docentes/fclara/pubs/anywhere-pt.pdf/view FREYRE, Gilberto. Integração portuguesa nos trópicos. Lisboa: Centro de Estudos Políticos e Sociais, 1958. GARCIA CANCLINI, Nestor. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2008. GILROY, Paul. After Empire. Melancholia and Convivial Culture. Londres e Nova York: Routledge, 2004. LOURENÇO, Eduardo. Nós e a Europa ou as duas razões. Lisboa: IN-CM, 1988. ________ A nau de Ícaro seguido de Imagem e miragem da lusofonia. Lisboa: Gradiva, 1999. PRATT, Mary Louise. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru: Edusc, 1999. RIBEIRO, Margarida Calafate. Uma história de regressos: Império, guerra colonial e pós-colonialismo. Porto: Afrontamento, 2004. _______ e Ana Paula (orgs.). Fantasmas e fantasias imperiais no Imaginário Português Contemporâneo. Porto: Campo das Letras, 2003. SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Trad. Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. _______ Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. SANTOS, Boaventura de Sousa. “Entre Próspero e Caliban: colonialismo, pós-colonialismo e identidade”. In: RAMALHO, Maria Irene; RIBEIRO, António Sousa (orgs.). Entre ser e estar. Raízes, percursos e discurso de identidade. Porto: Afrontamento, 2002, pp. 23-85. _______ Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. Porto: Afrontamento, 1994. SEIXO, Maria Alzira. “Reading Camões’s The Lusiads: Postcolonial Views in the constitution of literary discourse”. In: SEIXO, Maria Alzira et. Al. (orgs.). The paths of multiculturalism: Travel writings and postcolonialism. Lisboa: Edições Cosmos, 2000, pp. 303-312. SILVA, Augusto Santos. Palavras para um país: estudos incompletos sobre o século XIX português. Oeiras: Celta, 1997. SPIVAK, Gayatri Chakravorty. A Critique of Postcolonial Reason: toward a History of the Vanishing Present. Cambridge: Harvard, University Press, 1999.

Cursos

LITERATURA BRASILEIRA
Mestrado
120
LITERATURA BRASILEIRA
Doutorado
120

Áreas de Concentração

LITERATURA BRASILEIRA